WWE paga mais de 100 lutadores para ficarem em casa e não assinarem com outras empresas

Diego 14/02/2020

Conforme noticiamos na semana passada, o jornalista Dave Meltzer revelou que Vince McMahon queria recuperar o monopólio da indústria e essa teria sido uma das razões que levaram a demissão dos vices-presidente da WWE, George Barrios e Michelle Wilson, devido a uma discrepância nas visões que ambos tinham do futuro da empresa.

Foi revelado pelo jornalista na ocasião que Barrios e Wilson eram a favor de adotar uma estratégia mais conservadora em 2020 a fim de maximizar os lucros e o preço das ações enquanto que Vince pensava totalmente diferente uma vez que insistia em investir pesado para que a WWE pudesse contratar agentes livres disponíveis e manter lutadores de suma importância cujo contratos estavam se encerrando. Essa seria a estratégia de Vince para recuperar o topo do professional wrestling, que acredite ou não incluiria até um estoque de talentos.

Não é nenhuma novidade que o plantel da empresa é composto por uma grande quantidade de lutadores e muitos deles são pagos apenas para ficarem em casa. Citando como exemplos, Bo Dallas e Curtis Axel, do The B-Team, não se apresentam na programação televisiva da empresa desde 31 de outubro do ano passado, quando lutaram na WWE Tag Team World Cup no Crown Jewel, EC3 não aparece desde 30 de setembro e Titus O’Neil lutou pela última vez no episódio do dia 25 de novembro do Monday Night RAW, em um combate com Bobby Lashley que acabou terminando em desqualificação.

Na última edição do Wrestling Observer Newsletter, o jornalista Dave Meltzer deu novas informações a respeito do assunto e revelou que a WWE atualmente emprega 300 lutadores, dos quais 187 estão regularmente em programas televisionados ou em eventos ao vivo do RAW, SmackDown, NXT e NXT UK. Isso significa que em torno de 113 lutadores são pagos pela empresa de Stamford apenas para ficarem em casa e não assinarem com outras empresas.

“A empresa atualmente possui 960 funcionários e, se você imaginar que eles estão estocando talentos, o roster agora consiste em 300 lutadores, dos quais aproximadamente 187 são usados ​​na televisão ou em house shows em um dos quatro brands, bem como aqueles que não estão sendo utilizados devido a lesões, licença de maternidade ou outros motivos. Portanto, agora existem mais de 100 pessoas contratadas que estão treinando e ainda nem estão sendo usadas em shows”, disse o jornalista.